About | Articles | O predicado impossível
Dois Amigos no Deserto
Sinto muito, mas sinto menos
published 21/02/2014 | # 31
.

Dois amigos ateus estavam explorando um deserto com suprimentos suficientes para se manterem com certo conforto até o fim da expedição, mas sem grandes sobras devido ao peso do material, carregado em mochilas.

Ao passarem em frente a uma montanha rochosa, uma avalanche de pedras e areia acidentalmente feriu um deles, deixando-o sem condições de caminhar adequadamente.

O segundo amigo se viu diante de um dilema ético: Se ajudasse o ferido, ambos morreriam, pois com a lentidão para se locomoverem, o suprimento seria insuficiente para os dois alcançarem um local seguro.

Por outro lado, se seguisse seu caminho e abandonasse o ferido, ele certamente morreria. Havia ainda uma terceira opção, apropriar-se do suprimento do acidentado, já que de qualquer maneira ele estaria condenado e talvez, ainda, matá-lo por misericórdia (desde que este ato de misericórdia também não drenasse muita energia do sobrevivente. Afinal, pra que fazer um favor a quem não poderá retribuir?).

Não havia testemunhas nem como alguém descobrir o que acontecera com os exploradores. As regras jurídicas e sociais (com origem em crenças religiosas ou similares)como, por exemplo, a não omissão de socorro, portanto, não poderiam ser invocadas para fundamentar o comportamento que a maioria acha o mais nobre: morrer tentando salvar o amigo.

Ocorre que pela lógica materialista, a opção mais inteligente é a terceira ou, no máximo, a segunda. Escolher a primeira opção, ou seja, tentar salvar o amigo, pela lógica materialista, não é inteligente. O ateu que optar por salvar o amigo, sob o senso comum, é ético, mas segundo sua própria crença, não é inteligente.

Numa tentativa de defesa do materialismo, poderíamos fazer o seguinte raciocínio: Ainda que não seja lógico, inegavelmente sinto vontade de tentar salvar meu amigo. Atender este sentimento é algo que me dará satisfação e me fará algum bem, psicologicamente falando, portanto, terei alguma vantagem em tentar salvá-lo.

Ocorre que essa vontade de tentar salvar o amigo, e mesmo qualquer vacilo em abandoná-lo, advém, claro, da noção de valores absolutos que atribuímos à vida. Essa vontade é, na verdade, incutida em nossas mentes pela visão religiosa e transcendental de mundo. (Provavelmente essa visão ingênua e ilusória ajudou a espécie humana a sobreviver em seu caminho evolutivo, mas o indivíduo no deserto só tem uma vida. Então, dane-se a espécie.)

Na visão materialista esta vontade é na verdade uma reação química deflagrada por fatores externos (cultura religiosa entre eles, com grande destaque), agindo como um parasita e assim ponto em risco nossa própria sobrevivência em casos como este. Para que sejamos verdadeiros materialistas é preciso uma reavaliação de nossos valores. Não podemos ser ateus e continuarmos vivendo e promovendo os valores cristãos (pior, tentando nos apropriar deles!) ou quaisquer outros valores incompatíveis com nossa crença.

Salvar o amigo nesta situação, ainda que soe ético para a maioria, não é inteligente para quem vê o mundo como redutível à matéria. Ora, pra que vou arriscar a minha pele para tentar salvar um ser vivo que, no fundo, no fundo, não passa de construção acidental da natureza, um robô super complexo?


back


More:
About
Pro-Gol Rankings
Equilíbrio Distante
Equidistante
RXI - Raio-X ideológico
Tabulender(sem link ainda)

Inspiring quotes:
Johann Wolfgang von Goethe:
Quem deseja ter razão, de certo a terá, com o mero facto de possuir língua.
Karl Marx:
Democracia é a estrada para o socialismo.
Mahatma Gandhi:
Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho.
Adolf Hitler:
Torne a mentira grande, simplifique-a, continue afirmando-a, e eventualmente todos acreditarão nela.


Future possible posts:

Assunto: Reflexões sobre comportamentos nocivos à sociedade.Título provável:Indefinido.previsão: outubro/2015

Assunto: Convivência civilizada entre concorrentes. Diferenciando inimigos de adversários.Título provável:Carta aos meus inimigos.previsão: outubro/2015